Dizem que quando uma porta se fecha, uma janela se abre

Será?

Acredito que se perguntarmos aos mais de 11 milhões de brasileiros que estão desempregados, eles dirão que as portas e as janelas estão fechadas. Não posso culpá-los por se sentirem ou pensarem assim. Pois, honestamente, eu não acredito nessa ideia da janela.

Quando digo que não acredito é porque não consigo ver que na vida alguma coisa acontece de forma automática. Que alguma coisa acontece sem que você se empenhe, se esforce, se mova para que aquilo aconteça. Ou seja, quando a porta se fecha, é você o único responsável por abrir a janela.

Abrir uma janela não significa deixar de tentar abrir a porta. Você precisa buscar abrir essa porta todos os dias. Mas, enquanto ela não abre, procure uma janela. Porque mesmo que janelas possam ser menores do que as portas, elas geralmente têm o mesmo propósito. Elas são saída, caminho, visão, liberdade, fim e recomeço. Depende do seu ponto de vista. Depende do que você quer.

Já ouvimos diversas histórias, relatos emocionantes de pessoas que buscaram uma janela quando a porta estava fechada. Pessoas que mudaram de carreira, mudaram os planos e mudaram de vida. Algumas até transformaram suas pequenas janelas em verdadeiros portões.

Não estou dizendo que é fácil encontrar uma janela. Não estou dizendo que é simples bater na porta todos os dias, buscar a chave que abre a fechadura e ainda assim manter a janela aberta. Não é fácil mesmo. Mas é melhor do que ficar sentado à porta esperando que ela seja aberta. Ou que alguma janela seja aberta. Isso não vai acontecer.

Você pode me dizer que está no fundo do poço. Que não tem portas e nem janelas no bunker em que foi deixado. Nesse caso, eu te digo: construa você mesmo a porta. Construa você mesmo a janela. Crie você mesmo o caminho, a saída, a visão, a liberdade, o fim ou o recomeço que você precisa.

Acredite em mim quando digo que ninguém estará interessado em saber quantas portas fechadas você encontrou ao longo do caminho. Ninguém quer saber do tempo que você ficou esmurrando a porta ou sentado aguardando que ela se abrisse. As pessoas, e eu também, queremos saber da janela. Nós queremos ouvir como foi que você saiu do poço e como escapou do bunker.

Publicado por Bianca Coutinho Lopes

Dois verbos me definem: ler e escrever. Sou uma devoradora de livros e criadora de histórias, dona de imaginação infalível e criatividade incansável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: