Um mês do blog Antifrágil: descobertas e aprendizados

Quando decidi criar o blog Antifrágil, tudo o que eu tinha (até então) era o desejo de escrever e dividir sentimentos e ideias com as pessoas.

No mês anterior ao dia do lançamento, me preparei da melhor forma que pude. Fiz cursos, entendi como funcionava a plataforma, criei um Instagram profissional, uma conta de e-mail para o blog. Criei planilhas de planejamento. Testei e revisei.

Diria que o momento que antecedeu o lançamento e o momento posterior ao lançamento foi de muitas descobertas. E agora divido com você meus sete aprendizados principais:

1 – Nada ensina melhor do que a prática

Sou organizada; o tipo de pessoa que faz planos, que tenta prever todas as variáveis. Contudo, por mais que você planeje, nem sempre as coisas saem conforme o esperado. A gente calcula, mede, ensaia, mas a prática às vezes difere da teoria.

Portanto, permita que a prática te ensine. É normal que a gente se sinta frustrado se as coisas não saem como imaginávamos, mas precisamos estar dispostos a aprender o tempo todo. Precisamos aprender com tudo; com aquilo que sai exatamente como planejamos e aquilo que sai completamente diferente. Os dois têm muito a ensinar.

2 – Mas, sem planejar, você não sai do lugar

Sim, eu acabei de dizer que a prática é a melhor professora. Sim, eu acabei de dizer que nem sempre as coisas funcionam como a gente quer. Porém, isso não quer dizer que você não deva planejar. Planejar é essencial.

Se você quer ter um blog, um espaço para dividir suas criações, é bom que tenha em mente uma direção a seguir. Escolher dias, horários e temas, por exemplo, é planejamento e te permite trabalhar com mais foco e aumentar a produtividade.

3 – Não dá pra esperar pela inspiração

Inicialmente parecia muito fácil ter um blog. Bastaria escrever o que eu quisesse. E escrever sobre o que eu quisesse parecia simples. Bem, não é. Escolher um assunto, é bem mais difícil do que aparentava.

Seria maravilhoso se todos os meus textos fossem produzidos com base em inspiração. Mas, sinto informar, não são. E se você escreve, assim como eu, já adianto que não serão todos os seus textos produzidos de maneira inspiradora.

Precisei buscar alternativas. A primeira (e mais importante) é justamente se conscientizar de que a inspiração não virá até você. Ela não vai cair no seu colo. Você precisa ir até ela. Chamá-la, buscá-la, enlaçá-la. E trazê-la para si.

4 – Esteja de olhos abertos e ouvidos atentos

Vocês provavelmente não sabem, mas a maioria dos textos que produzi para o blog surgiu de conversas. Conversas simples, conversas banais. Uma palavra, uma frase, uma colocação e, BUM! A ideia aparecia. Nada combinado, nada esperado.

Precisamos ter esse olhar; esse olhar apurado, essa capacidade de ler entrelinhas e enxergar além. 

5 – Os melhores textos são aqueles que aproximam

Alguns dos meus textos mais lidos e compartilhados, alguns dos meus textos com maior interação e conexão com o público, não foram textos complexos ou extensos. Não foram textos cheios de dados, estatísticas ou números. Não foram textos formais e frios. Foram textos onde tudo o que eu fiz foi dar um passo em direção ao leitor.

Acredito que os textos mais amados são assim. É quando o autor se achega até nós, quando ele divide suas dores e dúvidas, quando ela compartilha suas crenças e cismas. Quando eles partilham um pedaço de si.

6 – Não torne o processo uma tortura

Criar um blog é assumir uma grande responsabilidade. Responsabilidade com você e com aqueles que leem. Eu decidi publicar textos todas as terças e quintas e, imediatamente, iniciei minha sessão de cobrança.

Sou muito exigente comigo mesma, porém percebi que me cobrar tanto apenas atrapalharia minha criatividade. E pior: faria aquele sonho se tornar um pesadelo.

Cortei o mal pela raiz. Nada de cobranças excessivas. O que eu quero é leveza. E com essa leveza tenho levado minhas criações até o presente momento.

7 – Comece com o que você tem

É natural a gente querer iniciar um projeto quando tem certeza absoluta, quando tá tudo certo, quando tá tudo encaminhado. Contudo, se ficarmos esperando o momento ideal nada vai acontecer, a hora certa não vai chegar. Nunca estaremos 100% prontos. E tudo bem. Basta querer e estar preparado para aprender, melhorar e evoluir ao longo do caminho.

Então se o que você tem no momento é a vontade de escrever, de ter um blog, vá em frente. Esse desejo já é mais do que bom começo. É ele que vai te guiar. Essa vontade será seu motor. Sem ela, é impossível dar o primeiro passo.

Não sei ao certo o que esperar para o próximo mês ou para o futuro. Mas torço para que eu possa me melhorar e melhorar meus textos. Que eu possa aprender a reaprender cada dia mais.

Publicado por Bianca Coutinho Lopes

Dois verbos me definem: ler e escrever. Sou uma devoradora de livros e criadora de histórias, dona de imaginação infalível e criatividade incansável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: